noticias266 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

Javier Milei define suas primeiras medidas de governo na Argentina

Publicada em 21/11/23 às 09:28h - 1072 visualizações

AFP


Compartilhe
Compartilhar a noticia Javier Milei define suas primeiras medidas de governo na Argentina  Compartilhar a noticia Javier Milei define suas primeiras medidas de governo na Argentina  Compartilhar a noticia Javier Milei define suas primeiras medidas de governo na Argentina

Link da Notícia:

Javier Milei define suas primeiras medidas de governo na Argentina
Javier Milei fala com apoiadores em Buenos Aires após vencer as eleições presidenciais argentinas  (Foto: Luis ROBAYO)

"Destruir" a inflação e privatizar: o ultraliberal Javier Milei, eleito presidente da Argentina com uma vitória contundente, começou nesta segunda-feira (20) a definir suas primeiras medidas de governo para enfrentar a crise econômica. 

A inflação elevada, de mais de 140% ao ano, será uma longa luta que exigirá "entre 18 e 24 meses para destruí-la e levá-la aos níveis internacionais mais baixos", disse ele em declarações a rádios.

Seu primeiro passo será empreender uma forte reforma do Estado que incluirá privatizações, afirmou.

"Tudo o que puder estar nas mãos do setor privado vai ficar nas mãos do setor privado", declarou, e apontou entre as empresas a serem privatizadas a petrolífera YPF e os veículos de comunicação estatais.

"Vamos começar primeiro pela reforma do Estado, colocar em caixa as contas públicas muito rapidamente", acrescentou.

- Transição -

Milei será empossado na Presidência em 10 de dezembro para um mandato de quatro anos, uma cerimônia para a qual já convidou o ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

O atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, a quem Milei chamou de "corrupto" e "comunista", não irá à posse, segundo uma fonte do governo brasileiro.

Frequentemente comparado com Bolsonaro e o ex-presidente americano Donald Trump por suas posições de extrema direita, Milei é contrário ao aborto, legalizado na Argentina em 2020, e nega que as mudanças climáticas sejam provocadas pelas atividades humanas.

Trump foi um dos primeiros líderes mundiais a cumprimentá-lo, na noite de domingo. "Estou muito orgulhoso de você. Você vai mudar por completo o teu país e vai fazer a Argentina voltar a ser grande", escreveu em uma postagem.

Está pendente uma reunião com o presidente peronista de centro-esquerda, Alberto Fernández, para iniciar a transição governamental que ele espera "ser tão ordenada quanto possível". 

Desde 2003, a Argentina é governada pelo peronismo da atual vice-presidente e duas vezes presidente Cristina Kirchner, exceto pelo mandato do direitista Mauricio Macri (2015-2019).

"Ficou demonstrado que a maioria dos argentinos quer mudanças", disse à AFP Oscar Sario, um aposentado de 68 anos. 

O presidente eleito anunciou que viajará em caráter privado aos Estados Unidos e a Israel.

- Metas econômicas -

A vitória de Milei não teve efeito imediato nos voláteis mercados argentinos, já que esta segunda-feira é feriado no país. No entanto, as ações argentinas cotadas em Wall Street registraram forte alta, com destaque para a petrolífera estatal YPF. 

Os seus principais desafios serão reduzir a inflação, equilibrar as contas públicas, eliminar o controle cambial e cortar o gasto público. Propõe metas mais duras que as do Fundo Monetário Internacional (FMI), organização com a qual a Argentina tem um acordo de 44 bilhões de dólares desde 2018 (cerca de 214 bilhões de reais na cotação atual).

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, parabenizou Milei nesta segunda-feira. 

"Esperamos trabalhar estreitamente com ele e com a sua administração no próximo período para desenvolver e implementar um plano sólido para preservar a estabilidade macroeconômica e fortalecer o crescimento inclusivo para todos os argentinos", escreveu ela na rede social X. 

Milei deseja acabar com os subsídios aos serviços públicos e eliminar os impostos à exportação.

Ele também garantiu que promoverá o fim do controle cambial estabelecido em 2019, mas primeiro quer quitar a dívida emitida pelo Banco Central, por meio de títulos. 

Sobre o Banco Central, Milei reiterou que será suprimido "porque é uma questão moral: roubar é errado". 

Quanto à ideia de dolarizar a economia, nesta segunda-feira foi mais ambíguo. "O eixo central é fechar o Banco Central, então a moeda será aquela que os argentinos escolherem livremente", afirmou.

Milei avisou que iniciará as suas reformas imediatamente porque "não há espaço para o gradualismo, para a tibieza ou para meias-tintas". 

Mas requer um forte apoio político. Embora tenha obtido uma votação importante nas eleições parlamentares parciais de outubro, seu partido, A Liberdade Avança, tem apenas sete dos 72 senadores e 38 dos 257 deputados, portanto dependerá de alianças. 

No segundo turno, Milei contou com o apoio de Macri e da ex-candidata Patricia Bullrich, da coalizão de centro-direita Juntos pela Mudança, a segunda força parlamentar que ficou, no entanto, rachada por esta decisão.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1458694
Usuários Online: 63
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!