noticias595 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

Com economia quebrada, Líbano não tem condições de entrar em guerra, e Hezbollah sabe disso

Publicada em 27/10/23 às 10:19h - 886 visualizações

Laila Bassam e Tom Perry, Reuters


Compartilhe
Compartilhar a noticia Com economia quebrada, Líbano não tem condições de entrar em guerra, e Hezbollah sabe disso  Compartilhar a noticia Com economia quebrada, Líbano não tem condições de entrar em guerra, e Hezbollah sabe disso  Compartilhar a noticia Com economia quebrada, Líbano não tem condições de entrar em guerra, e Hezbollah sabe disso

Link da Notícia:

Com economia quebrada, Líbano não tem condições de entrar em guerra, e Hezbollah sabe disso
Militares de Israel participam de exercício perto da fronteira com o Líbano 26/10/2023  (Foto: REUTERS/Lisi Niesner)

Com sua economia quebrada e um Estado em ruínas, o Líbano não tem condições de participar de outra guerra entre o Hezbollah e Israel.

O Hezbollah, apoiado pelo Irã, sabe disso e mantém em mente as crises do Líbano enquanto planeja os próximos passos no conflito com Israel, dizem fontes.

À medida que a guerra entre Israel e o Hamas, aliado palestino do Hezbollah, repercute em todo o Oriente Médio, o risco de guerra entre o Hezbollah e Israel continua a ser mais alto do que em qualquer momento desde o último grande conflito entre as duas partes, em 2006.

Analistas dizem que o grupo xiita poderá escalar suas ações se parecer que o Hamas está nas cordas na Faixa de Gaza, a 200 km de distância, enquanto os líderes libaneses temem que Israel possa optar por instigar um grande conflito com o Hezbollah.

Mas com Israel alertando o Hezbollah de que iria causar "devastação" no Líbano se o grupo abrisse essa frente, os custos de qualquer guerra são elevados no país que já sofre uma das fases mais desestabilizadoras desde a guerra civil de 1975 a 1990.

“O Hezbollah não tem interesse na guerra. O Líbano não tem interesse na guerra”, disse uma fonte familiarizada com o pensamento do Hezbollah.

O grupo não gostaria de ver o país destruído e os libaneses fugindo do sul como milhares de pessoas já fizeram, disse a fonte.

Com os cofres do Estado vazios, muitos também se perguntam quem pagaria pela reconstrução. Alguns questionam se os Estados árabes do Golfo, liderados pelos sunitas, que financiaram a reconstrução em 2006, se apressariam a ajudar desta vez, já que há um aumento do papel do Hezbollah no Líbano atual. 

Os confrontos do Hezbollah com as forças israelenses na fronteira foram calibrados para evitar uma grande escalada até agora, dizem as fontes, embora mais de 40 de seus combatentes tenham sido mortos.

No entanto, o Hezbollah também indicou estar pronto para a guerra, refletindo sua posição como ponta de lança de uma aliança apoiada pelo Irã contra Israel e os Estados Unidos.

Os políticos libaneses exortaram o Hezbollah a não escalar a situação, embora tenham pouca ou nenhuma influência sobre as suas decisões.

"O destino do Líbano está em jogo", disse o líder druso Walid Jumblatt, classificando esta como talvez a fase mais perigosa que ele já viu em sua carreira política.

Ele disse que não há nada que os libaneses possam fazer para impedir uma guerra instigada por Israel.

“Mas, da nossa parte, devemos controlar essa questão, através do diálogo e aconselhando os irmãos do Hezbollah a manterem as regras de envolvimento como estão”, disse ele em comentários à imprensa.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1639544
Usuários Online: 41
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!