noticias975 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Economia

Economista diz que desemprego será visível depois de julho

Marcio Furtado disse que as políticas econômicas do governo Lula culmina, fatalmente, para o aumento do desemprego

Publicada em 27/03/23 às 07:08h - 827 visualizações

Camila Abdu. Revista Oeste


Compartilhe
Compartilhar a noticia Economista diz que desemprego será visível depois de julho  Compartilhar a noticia Economista diz que desemprego será visível depois de julho  Compartilhar a noticia Economista diz que desemprego será visível depois de julho

Link da Notícia:

Economista diz que desemprego será visível depois de julho
Economista Márcio Furatdo  (Foto: Reprodução/Twitter/Márcio Furtado)

Para o economista Márcio Furtado, superintendente no Ministério da Economia durante o governo Bolsonaro, as políticas econômicas adotadas pela equipe do governo Lula ainda nem começaram a serem “visíveis” para a população. O desemprego, por exemplo, começará a ser sentido de maneira profunda ainda nos próximos anos. Furtado falou com exclusividade à Oeste.

O economista explica que é preciso observar o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) para mensurar o impacto do desemprego em 2023. Na dia 9 de março, o Caged informou que janeiro teve 1.874.226 contratações e 1.790.929 desligamentos. Já os pedidos de seguro-desemprego passaram de 533.028 em dezembro para 614.085 no mesmo mês.

Furtado também acredita que não haverá crescimento econômico. De acordo com o ex-superintendente, o Brasil ficará “entre 0% e 0,75%”. O economista prevê que, para 2024, “o PIB será negativo”. Para Furtado, “não há um caminho” para desestatização das empresas prometidas pelo presidente Lula durante o pleito de 2022.

O economista ainda classificou como “infeliz” a ideia difundida pelo ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, de usar os Correios para substituir o Uber.

— O senhor afirmou que o desemprego começará a ser visível a partir do segundo trimestre. Qual métrica o senhor esta usando para esta afirmação?

Em um primeiro momento, observaremos o próximo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Cageds) capturando as demissões em média escala que estão ocorrendo principalmente nas empresas de tecnologia, nas reduções de tamanho de empresas varejistas e encerramentos de fábricas no setor industrial.

Em seguida, essa massa de profissionais demitidos irá encontrar dificuldade para se recolocar, o que atingirá em cheio a taxa de desemprego no médio prazo. Dependendo do setor, uma pessoa pode ficar até dois anos para se recolocar. Veremos também o número de desalentados, aqueles que estão desempregados e desistiram de procurar um novo emprego, aumentar em 2023 e 2024.

O que vier do novo arcabouço fiscal e reforma tributária pode deteriorar muito mais a atividade econômica brasileira neste e nos próximos anos – que culmina, fatalmente, para o aumento do desemprego.

— Lula disse que a economia ‘cresceu nada’ em 2022. Como o senhor analisa essa afirmação?

A média de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos países emergentes em 2022 foi de 3,7%, enquanto a economia brasileira ficou em 2,9%. Já a inflação (sendo o pior fator para os mais pobres em qualquer economia) brasileira em 2022 que ficou em 5,8%. Isso é bom ou ruim? Acho um ótimo número.

A Suécia teve inflação de 11,7%, EUA de 6,4%, Reino Unido de 10,1%, Argentina de 98,8%, Chile de 12,3%, Turquia 55,2%. As medidas de crescimento da economia brasileira deixaram a gente um pouco abaixo da média dos emergentes, enquanto nosso controle inflacionário deu uma verdadeira aula para os países desenvolvidos e emergentes.

— O que o senhor acha dessa ideia dos correios de substituir o Uber?

Uma fala infeliz [do ministro Luiz Marinho] que só consigo acreditar que foi para causar espanto no mercado.

— A escolha de Haddad indica que Lula queria alguém que ele pudesse controlar no Ministério da Fazenda ou o senhor acredita que ele pode ter voz própria no cargo?

Não acredito que terá voz própria. O PT precisava de um nome moderado (principalmente na fala e nos gestos) na Fazenda para acalmar os mercados. Em política, muitas vezes é melhor parecer do que ser.

— Existe alguma ameaça aos contratos de concessão concretizados pelo governo Bolsonaro – portos, estradas – de reestatização? Existe um caminho para isso? Como é feito?

Não há um caminho para isso e também não acredito que haverá qualquer tipo de intervenção de qualquer poder para cima da iniciativa privada para romper os contratos firmados.

— O senhor acredita na perspectiva de crescimento econômico para esse ano?

Acredito que não. Ficaremos entre 0% e 0,75%, que será composto da inércia do crescimento dos anos anteriores. Já para 2024 podemos ver PIB negativo.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1466971
Usuários Online: 62
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!