noticias677 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Policial

Criança de 6 anos que estava sob a guarda do pai, réu por estupro, é entregue à avó

A juíza chegou a pedir que policiais acompanhassem o oficial de Justiça para a determinação ser cumprida.

Publicada em 28/10/23 às 05:47h - 701 visualizações

Emanoela Campelo de Melo, DN


Compartilhe
Compartilhar a noticia Criança de 6 anos que estava sob a guarda do pai, réu por estupro, é entregue à avó  Compartilhar a noticia Criança de 6 anos que estava sob a guarda do pai, réu por estupro, é entregue à avó  Compartilhar a noticia Criança de 6 anos que estava sob a guarda do pai, réu por estupro, é entregue à avó

Link da Notícia:

Criança de 6 anos que estava sob a guarda do pai, réu por estupro, é entregue à avó
A criança de seis anos teria sido vítima de estupro, conforme acusação do MPCE  (Foto: Reprodução)
O coronel aposentado da Polícia Militar do Ceará, réu por estuprar o próprio filhoum menino de seis anos, entregou a criança à avó materna. Na manhã desta sexta-feira (27), o pai cumpriu a decisão imposta pela Justiça cearense há uma semana.

Agora, a mãe da criança segue impedida de ter contato, mesmo que virtual, com o menino, também por decisão do Judiciário. Enquanto isso, o pai pode visitar o filho, sob supervisão de terceiros, aos fins de semana. A defesa do acusado nega que ele tenha estuprado a criança.

Bruno Queiroz e Leandro Vasques, advogados do réu, dizem que "a criança, que estava sob a guarda do pai, foi entregue voluntariamente pelo genitor, sem a expedição de mandado de busca e apreensão, obedecendo o que foi determinado por decisão da 12ª Vara Criminal, no último dia 20. Os advogados de defesa do pai do menor vão recorrer para a 2ª Instância, já que não há nenhuma prova material das acusações imputadas pela genitora".

Nessa quinta-feira (26), a juíza da 12ª Vara Criminal de Fortaleza negou embargos de declaração da defesa do PM, que havia solicitado que a guarda da vítima ficasse com um casal de amigos do pai.

"É clarividente que o genitor limita-se a indicar um casal, com o argumento de que possuem filhos menores de idade e que mantem um bom relacionamento com o infante, porém, não há maiores esclarecimentos sobre o referido vínculo que denotem a capacidade de proteção e cuidado para com a criança. Portanto, a modificação do decisório não deve ocorrer pela via eleita, devendo, para tanto, ser manejado o recurso processual próprio", disse a juíza.

A magistrada também chegou a destacar que o réu não tinha sido localizado nos últimos dias, quando procurado pelo oficial de Justiça, e que intimou a Delegacia Especializada em Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (DCECA), para acompanhar, com urgência, a entrega do menino.

SUPOSTA INFLUÊNCIA NO JUDICIÁRIO

O pai da criança foi acusado em agosto deste ano, em denúncia formal do MPCE, de estuprar o menino. Ainda nesse mês, o Judiciário acolheu a acusação, tornando o coronel réu pelo crime.

A mãe da criança ainda acredita que anteriormente a guarda foi dada ao pai devido à influência que ele pode ter no Judiciário, já que tem magistrados enquanto parentes.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou publicamente que a Corregedoria Nacional de Justiça instaurou pedido de providências “para apurar suspeita de irregularidade” no processo da guarda.

Na semana passada, o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) informou que "tramita neste órgão estadual procedimento de apuração relacionado ao caso".

Eles estavam em liberdade há dois e cinco meses apenas e voltaram a ser detidos na terça-feira (24), poucas horas após a tentativa de chacina em Fortaleza.

CRIME SEXUAL

A primeira suspeita que o filho vinha sendo abusado sexualmente veio ainda em 2021, quando a mãe levou o menino à dentista e a profissional teria indicado que as feridas na parte superior dentro da boca eram compatíveis com sexo oral. Entre idas e vindas em múltiplos processos, criminal e cível, na Justiça cearense, a mulher passou a perder contato com o filho desde quando não teria entregue o menino de volta na data prevista.

Já em agosto deste ano, conforme documentos que a reportagem do Diário do Nordeste teve acesso, o Ministério Público do Ceará apresentou a acusação e a juíza da 12ª Vara Criminal decidiu receber a denúncia, citando o policial.

Contactada pela reportagem, a defesa do acusado nega que ele tenha cometido qualquer crime contra a criança e diz que o processo criminal está baseado "em alegações falsas e unilaterais".

Há dois anos, os pais compartilhavam a guarda. Após passar período na casa do pai, o menino teria retornado com o “céu da boca roxo”, contou a mulher à reportagem. A mãe, agora acusada pelo pai por denunciação caluniosa, diz que levou o filho ao dentista e teria ouvido da profissional que: "vá para uma delegacia denunciar, porque é indício de abuso sexual".




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1465067
Usuários Online: 77
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!