noticias428 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

Cativeiro em Gaza é roleta russa, diz refém israelense libertada

Publicada em 12/12/23 às 05:46h - 961 visualizações

Eli Berlzon e Michal Yaakov Itzhaki, Reuters


Compartilhe
Compartilhar a noticia Cativeiro em Gaza é roleta russa, diz refém israelense libertada  Compartilhar a noticia Cativeiro em Gaza é roleta russa, diz refém israelense libertada  Compartilhar a noticia Cativeiro em Gaza é roleta russa, diz refém israelense libertada

Link da Notícia:

Cativeiro em Gaza é roleta russa, diz refém israelense libertada
Sharon Alony-Cunio dá entrevista à Reuters em Yavne 10/12/2023  (Foto: REUTERS/Eli Berlzon)
A israelense Sharon Alony-Cunio sobreviveu 52 dias como refém em Gaza com suas duas filhas pequenas antes de ser libertada em um acordo de troca entre Israel e Hamas. Mas ela teme pela vida de seu marido, que ainda está em cativeiro no enclave palestino.

Agora, de volta a casa com suas gêmeas de 3 anos, Julie e Emma, ela pede que os 137 reféns restantes sejam libertados. "Cada minuto é crucial. As condições lá não são boas e os dias são intermináveis", disse ela à Reuters em sua primeira entrevista.

"É uma roleta russa. Você não sabe se amanhã de manhã eles o manterão vivo ou o matarão, só porque querem ou porque estão contra a parede", disse Alony-Cunio, de 34 anos.

Alony-Cunio foi uma das 240 pessoas tomadas como reféns em 7 de outubro por homens armados do Hamas, que romperam a fronteira com Israel e mataram cerca de 1.200 pessoas.

Os militantes que tomaram seu kibutz, Nir Oz, que fica a pouco mais de um quilômetro e meio de Gaza, incendiaram sua casa e a levaram sob a mira de uma arma depois que ela saiu pela janela.

Ela foi levada para o outro lado da fronteira com seu marido David e uma de suas gêmeas, disse ela. Sua segunda filha foi mantida separadamente em Gaza por 10 dias antes de serem reunidos em cativeiro com outros 12 reféns em condições que ela disse serem difíceis, especialmente para crianças.

"Todos deixaram de comer por elas (as meninas). Você não sabe se à noite haverá um pita (pão), então de manhã você guarda um pouco para a noite. Tudo é muito calculado, um quarto de pita, metade de uma pita para guardar para a manhã seguinte."

Às vezes, eles eram alimentados com tâmaras e queijo e, às vezes, dividiam a carne, o arroz e as rações para seis pessoas entre os 12.

Esperar para poder ir ao banheiro era um problema para as meninas, disse ela, então elas tinham que usar uma pia e uma lixeira. "Às vezes, quando havia um corte de energia, eles nos deixavam abrir a porta, abriam a cortina e então nós sussurrávamos. Como é possível manter uma criança junta durante 12 horas apenas com sussurros?"

Seu grupo de reféns foi mantido acima do solo e transferido algumas vezes, disse ela, mas com as lembranças ainda cruas e com seu marido ainda lá, Alony-Cunio relutou em dar mais detalhes sobre sua captura e o tempo em que foi refém.

Mas uma das maiores dificuldades, segundo ela, foi simplesmente não saber o que estava sendo feito para tirá-los de lá.

"Todos os dias há choro, frustração e ansiedade. Quanto tempo vamos ficar aqui? Será que eles se esqueceram de nós? Será que desistiram de nós?"

Em uma trégua de sete dias, mais de 100 reféns foram libertados. Os demais ainda estão incomunicáveis enquanto Israel bombardeia Gaza, prometendo acabar com o Hamas. Mais de 18.000 pessoas foram mortas em Gaza, de acordo com as autoridades de saúde locais.

Muitas famílias dos 137 reféns que ainda estão em Gaza, cujos nomes e fotos em pôsteres estão espalhados pelas ruas de Israel, estão assustadas.

"Minhas filhas estão destroçadas", disse Alony-Cunio. "Eu estou dividida sem a minha segunda metade, o amor da minha vida, o pai das minhas filhas que me perguntam todos os dias: onde está o papai?"

David foi separado delas três dias antes de sua libertação, em 27 de novembro, antes do reinício dos combates. A prioridade máxima, segundo ela, deveria ser libertar os reféns restantes.

"Estou apavorada com a possibilidade de receber más notícias de que ele não está mais vivo", disse Alony-Cunio.

"Não somos apenas nomes em um pôster. Somos seres humanos, de carne e osso. O pai de minhas filhas está lá, meu parceiro, e muitos outros pais, filhos, mães, irmãos."




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1595971
Usuários Online: 49
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!