Política

Manifestações contra Bolsonaro voltaram a acontecer sem força esperada

Toda a oposição se juntou, mas \'esqueceu de chamar\' o povo.

Publicada em 02/10/21 às 18:12h - 86 visualizações

por Fábio Souza Tavares


Compartilhe
Compartilhar a notícia Manifestações contra Bolsonaro voltaram a acontecer sem força esperada  Compartilhar a notícia Manifestações contra Bolsonaro voltaram a acontecer sem força esperada  Compartilhar a notícia Manifestações contra Bolsonaro voltaram a acontecer sem força esperada

Link da Notícia:

Manifestações contra Bolsonaro voltaram a acontecer sem força esperada
Manifestantes na Av. Paulista  (Foto: Luiza Rocha/EM/DA PRESS)
Neste sábado (2), o Brasil viu manifestações contra o presidente Bolsonaro acontecerem em 60 municípios, sendo 14 capitais. Diferentemente das manifestações anteriores onde os atos foram marcados pela divisão da oposição - os do dia 7 de setembro foram convocados pela CNBB, pelos partidos de esquerda e suas organizações e os do dia 12 de setembro foram convocados pelo MBL, pelo Vem Pra Rua, pelo Livres e  pelos partidos de direita e de centro - toda a posição se juntou para pedir o impeachment do presidente.
20 partidos, as centrais sindicais e vários movimentos que gravitam em torno deles participaram das manifestações de unidade contra Bolsonaro em todo o País. Mas, assim como nas manifestações anteriores, os atos não chegaram nem perto da quantidade de manifestantes que saíram no 7 de setembro em defesa do presidente da República.
Ciro, que sistematicamente vinha detonando Lula, pregou a unidade, embora tenha sido criticado com veemência pelo minúsculo Partido da Causa Operária (PCO) na Avenida Paulista. Desesperados, O PT de Lula e Haddad, o PDT de Ciro, o DEM de Mandetta e o PSDB de Dória, além de várias outras siglas partidárias, resolveram se juntar para não passar a vergonha que amargaram nos atos passados. Mas a campanha pelo impeachment não emplacou nas ruas.
Para motivarem os manifestantes, os organizadores dos atos colocaram, além do impeachment, as palavras de ordem por mais vacinas contra a Covid-19 e contra a alta dos preços (inflação). Mera retórica demagógica.
O Brasil é hoje o terceiro país que mais aplica doses de combate ao Coronavírus, ficando atrás apenas da China e da Índia e estando à frente do Japão e dos Estados Unidos. Até ontem, o Ministério da Saúde distribuiu 301.005.168 doses em todo o País, mas somente 240.050.781 foram aplicadas. Se as manifestações fossem sérias, a palavra de ordem seria pelo avanço da aplicação das doses que sofre com atrasos dos governadores e prefeitos de oposição. Quanto à inflação, é resultado direto da paralisia da economia - levada até as últimas consequências pelos governadores e prefeitos de oposição - e é resultado de uma crise econômica mundial em face da pandemia do vírus chinês como mostrou a matéria Inflação dispara no mundo inteiro: Gasolina nos EUA sobe mais do que no Brasil, gás tem aumento de 300% no Reino Unido e Argentina tem aumento de 60% na carne", do Terra Brasil Notícias.
Os organizadores dos atos de hoje tinham por objetivo realizarem manifestações multitudinárias para pressionar o Congresso a abrir processo de impeachment contra o presidente Bolsonaro. Não deu certo. A pouca expressividade numérica dos atos frustrou a pretensão da oposição.
Na Avenida Paulista, a imagem dos black blocs rasgando a bandeira do Brasil serviu para ilustrar a serviço de quê estavam as manifestações oposicionistas de hoje.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 549823
Usuários Online: 55
Copyright (c) 2022 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!