Municípios

Sindicato dos servidores de Juazeiro do Norte/CE enterra a greve

O burocratismo legalista apunhalou o movimento dos servidores.

Publicada em 20/06/22 às 04:47h - 72 visualizações

por Fábio Souza Tavares


Compartilhe
Compartilhar a notícia Sindicato dos servidores de Juazeiro do Norte/CE enterra a greve  Compartilhar a notícia Sindicato dos servidores de Juazeiro do Norte/CE enterra a greve  Compartilhar a notícia Sindicato dos servidores de Juazeiro do Norte/CE enterra a greve

Link da Notícia:

Sindicato dos servidores de Juazeiro do Norte/CE enterra a greve
SISEMJUN enterra a greve  (Foto: Fotomontagem/Fábio Souza Tavares)

A greve dos servidores públicos municipais de Juazeiro do Norte/CE foi aprovada em assembleia no dia 24 de maio. Com o prazo de comunicação da greve que o sindicato tem que fazer à Justiça, esperava-se que fosse deflagrada no dia 30 de maio, segunda-feira da semana que abriu o mês de junho.

No dia 7 de junho, duas semanas após a deliberação pela greve, como o Sindicato dos Servidores Municipais de Juazeiro do Norte (SISEMJUN) ainda não a tinha convocado, o Sovaco de Cobra publicou a matéria "Sindicato atrasa greve passando por cima da assembleia de servidores". Na ocasião, o sindicato tinha lançado uma nota chamando o início da greve para o dia 14 de junho, ou seja, três semanas após a assembleia que decidiu pela deflagração do movimento.

Somente um dia depois da matéria do Sovaco de Cobra, ou seja, no dia 8 de junho, o SISEMJUN comunicou o início do movimento grevista.

O curioso é que um dia antes (7 de junho) o governo municipal já tinha lançado um comunicado de que o movimento tinha sido julgado ilegal e que, por isso, descontaria os dias parados dos grevistas. Naquele momento, a Justiça ainda não tinha determinado a ilegalidade do movimento em curso. O que havia, ainda em trâmite, era uma decisão relativa à greve de 2018.

Eis que no primeiro dia da greve, em mais uma coincidência, uma decisão do Tribunal de Justiça determina a ilegalidade do movimento.

A princípio, a diretoria do SISEMJUN disse que manteria a greve, pois naquele momento não recebera ainda a notificação da decisão judicial.

Na última sexta-feira (18.06), após quatro dias de greve, o sindicato realizou uma assembleia na Praça Leandro Bezerra de Menezes (Praça dos Ourives) - mesma praça onde houve a assembleia que votou pela deflagração - que determinou o fim do movimento.

O presidente do sindicato, o enfermeiro Marcelo Alves, disse estar surpreso com a celeridade da Justiça em julgar a ação do governo municipal favorável. Entretanto, não foi a decisão judicial que foi rápida, mas a ação do sindicato que foi lenta, quase parada.

Ao não decretar a greve no dia 30 de maio, o sindicato deu duas semanas para o governo Glêdson Bezerra (PODE) se articular legalmente contra a luta dos servidores. Portanto, o que enterrou a greve foi a postura do SISEMJUN que durante todo esse tempo fez um discurso contrário aos ataques do prefeito contra os servidores e na prática deu condições para que o movimento saísse derrotado.

O SISEMJUN se qualifica enquanto coveiro da luta da classe trabalhadora.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 554694
Usuários Online: 46
Copyright (c) 2022 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!