noticias579 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

Dono de boate LGBT é preso por extremismo na Rússia

Em mais um capítulo do aumento da repressão contra minorias sexuais na Rússia, proprietário de boate LGBT foi detido após regime adicionar movimento internacional LGBT a lista de grupos extremistas e terroristas.

Publicada em 01/04/24 às 07:36h - 663 visualizações

IstoÉ


Compartilhe
Compartilhar a noticia Dono de boate LGBT é preso por extremismo na Rússia  Compartilhar a noticia Dono de boate LGBT é preso por extremismo na Rússia  Compartilhar a noticia Dono de boate LGBT é preso por extremismo na Rússia

Link da Notícia:

Dono de boate LGBT é preso por extremismo na Rússia
Autoridades russas vêm fechando cerco à comunidade LGBT há uma década, mas repressão acelerou desde o início da Guerra na Ucrânia  (Foto: Anton Vaganov/Reuters)
O proprietário de uma boate LGBT na cidade russa de Oremburgo foi detido pelas forças de segurança do país por "extremismo", informou a rede de direitos humanos OVD-Info neste domingo (31/03), em mais um capítulo da crescente repressão do regime de Vladimir Putin contra minorias sexuais.

Segundo a organização, ele foi detido há três dias em um aeroporto de Moscou e tem sido mantido sob custódia pelas autoridades com dois de seus funcionários. Todos foram oficialmente acusados de atuar em cumplicidade com que as autoridades russas chamam de "movimento internacional LGBT" e de "promover relações sexuais não tradicionais entre os frequentadores do bar".

Os dois funcionários – um gerente e um diretor artístico – já haviam sido presos na primeira quinzena de março, quando a polícia efetuou uma batida no local, chamado Club Pose, durante um show de drags queens.

Na ocasião, circularam vídeos de clientes e funcionários do estabelecimento sendo humilhados pelos policiais, com alguns sendo forçados a encostar o rosto no chão. Drags tiveram suas perucas e roupas confiscadas. Segundo a ONG Anistia Internacional, os policiais contaram com o auxílio de membros de um grupo ultranacionalista durante a operação. Na ocasião, ativistas homófobicos e apoiadores do Kremlin elogiaram a ação contra o estabelecimento de Oremburgo, que fica a 1.300 km a sudeste de Moscou.

Se forem considerados culpados, o dono e os funcionários arriscam serem sentenciados a até dez anos de prisão.

"É particularmente repreensível que membros de um grupo nacionalista russo tenham sido autorizados a ajudar a polícia na invasão do show de drags na boate Pose em Orenburg, sudoeste da Rússia, no início deste mês. Essa cooperação entre as autoridades policiais e ativistas nacionalistas promove um ambiente de impunidade para ataques homofóbicos e transfóbicos e instiga um clima de medo entre as pessoas LGBTI", disse Natalia Zviagina, diretora da Anistia Internacional para a Rússia.

Repressão crescente

Esse é o primeiro processo criminal contra membros da comunidade LGBT russa desde que a Suprema Corte do país – controlada pelo regime – acatou em novembro um pedido do Ministério da Justiça e determinou que os ativistas ou membros da comunidade LGBTQ+ deveriam ser designados como "extremistas".

"O que as pessoas LGBTI e os ativistas de direitos humanos temiam desde o final do ano passado finalmente aconteceu – as forças policiais russas, encorajadas pela vergonhosa decisão da Suprema Corte que declarou um ‘movimento LGBTI internacional' inexistente como ‘extremista', agora abriram seu primeiro caso de ‘extremismo' relacionado á causa LGBTI", disse Zviagina.

No dia 22 de março, o regime de Putin também acrescentou oficialmente o que chamou de "movimento internacional LGBT" a uma lista de organizações extremistas e terroristas. A agência estatal de notícias RIA disse que a designação se aplica ao "movimento social LGBT e suas unidades estruturais".

A lista é administrada pela agência Rosfinmonitoring, que tem poder para congelar contas bancárias de pessoas ou grupos designados como "extremistas" ou "terroristas".

O regime contra os direitos civis

Como parte de uma cruzada liderada pelo presidente russo, Vladimir Putin, em prol do que ele considera valores familiares em oposição à "decadência" dos costumes ocidentais, as autoridades russas adotaram na última década uma série de restrições a expressões referentes a orientação sexual e identidade de gênero.

Moscou vem aumentando a repressão às liberdades civis no país desde o início de sua invasão da Ucrânia, em fevereiro de 2022. Naquele mesmo ano, Moscou proibiu o que chamou de "propaganda gay" entre adultos e tornou ilegal o uso de expressões referentes a "relações sexuais não-tradicionais" em público e na mídia. Em 2013, essas expressões já haviam sido banidas junto aos menores de idade.

Também em 2022, a Rússia ampliou as restrições aos chamados "agentes estrangeiros", o que tornou mais fácil para o governo fechar o cerco contra ONGs e portais de internet que recebem qualquer tipo de apoio vindo do exterior.

No ano passado, a Rússia baniu as cirurgias de redesignação sexual. O presidente da Duma (Parlamento russo) qualificou essa prática como "o caminho para a degeneração".

Desde o recrudescimento da repressão na Rússia, veículos independentes de imprensa, como o jornal Novaya Gazeta e o portal Medusa, foram fechados pelas autoridades ou forçados ao exílio.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1598408
Usuários Online: 20
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!