noticias816 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

França expulsa imã acusado de pregar o ódio

Líder religioso muçulmano acusado de se referir à bandeira da França como símbolo \

Publicada em 24/02/24 às 09:22h - 441 visualizações

DW Brasil


Compartilhe
Compartilhar a noticia França expulsa imã acusado de pregar o ódio  Compartilhar a noticia França expulsa imã acusado de pregar o ódio  Compartilhar a noticia França expulsa imã acusado de pregar o ódio

Link da Notícia:

França expulsa imã acusado de pregar o ódio
A Grande Mesquita de Paris. França já expulsou dezenas líderes religiosos nos últimos anos  (Foto: Abd Rabbo Ammar/abaca/picture alliance)

Autoridades francesas expulsaram um imã tunisiano acusado de pregar o ódio contra o país, mulheres e judeus, anunciou na quinta-feira (22/02) o ministro do Interior do país, Gerald Darmanin.

Mahjoub Mahjoubi, imã (líder que dirige orações coletivas do islamismo) da pequena cidade de Bagnols-sur-Ceze, no sul da França, foi enviado de volta à Tunísia "menos de 12 horas após sua prisão", anunciou Darmanin em uma publicação no X (antigo Twitter).

"A firmeza é a regra", disse Darmanin, que classificou Mahjoubi como um "imã radical que fez comentários inaceitáveis".

"Bandeira satânica" e "destruição da sociedade ocidental"

A ordem oficial para a expulsão de Mahjoubi apontou que em sermões em fevereiro ele havia transmitido uma imagem "retrógrada, intolerante e violenta" do Islã, que estaria encorajando comportamentos contra os valores franceses, discriminação contra mulheres, "tensões com a comunidade judaica" e "radicalização jihadista". Ainda segundo a ordem, o imã também se referiu ao "povo judeu como inimigo" e pediu "a destruição da sociedade ocidental".

Mahjoubi, de 52 anos, que vivia na França desde a década de 1980 com mulher e cinco filhos (todos com cidadania francesa), havia ganhado notoriedade nos últimos dias após transmitir um vídeo no qual descreveu a "bandeira tricolor" – sem especificar se estava mencionando a bandeira francesa – como uma "bandeira satânica" que não teria "nenhum valor aos olhos de Alá". Em uma pregação em 2 de janeiro, Mahjoubi também lamentou "o fato de que as mesquitas não produzem mais combatentes como faziam na época do profeta" e se referiu à França como uma "sociedade beligerante e podre".

Expulsões

O ministro Darmanin afirmou que a expulsão foi uma "demonstração" de que uma nova lei que endurece a imigração aprovada recentemente no país "torna a França mais forte". A legislação foi encarada por observadores como parte da resposta do governo à ascensão da ultradireita anti-imigração nas pesquisas de opinião francesas e sofreu forte oposição dos partidos de esquerda.

No entanto, o país já expulsou dezenas líderes religiosos no passado, antes da aprovação da nova legislação, com base em artigos do código de entrada e residência do país. No ano passado, por exemplo, a França deportou um imã marroquino e um argelino que havia sido funcionário de uma mesquita que foi fechada em 2018. Em 2010, um clérigo de uma mesquita no subúrbio parisiense de Seine-Saint-Denis também foi enviado de volta a seu país natal, o Egito,

O presidente Emmanuel Macron disse em 2020 que queria acabar com a permanência na França de cerca de 300 imãs enviados por outros países. Nenhum foi aceito do exterior desde janeiro deste ano. A vizinha Alemanha também tem tomado medidas para desestimular o envio de imãs ultraconservadores do exterior, mas com outra abordagem: incentivar a formação de líderes religiosos locais.

Imã pretende recorrer

Após chegar à Tunísia, seu país de origem, Mahjoubi afirmou que pretende recorrer da sua expulsão. "Vou me defender e fazer tudo o que puder para voltar para minha esposa e meus filhos", disse ele da casa de seus sogros em Soliman, a leste de Túnis.

"Não há dúvida de que uma injustiça foi cometida contra mim, a lei de imigração foi aprovada há cerca de três semanas, e eu sou a primeira vítima dessa lei", disse o imã, que negou ainda qualquer "insulto à comunidade judaica ou à bandeira francesa". "Nunca defendi o ódio ou o radicalismo – pelo contrário, todos me conhecem. Minha expulsão foi resultado de uma decisão arbitrária do ministro do Interior", acrescentou.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1595989
Usuários Online: 52
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!