noticias495 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

O que sabemos sobre a violência sexual cometida pelo Hamas em ataque a Israel

Várias testemunhas discursaram na ONU sobre violência sexual e de gênero, fornecendo provas de que a violência, mutilação e o estupro ocorreram e foram usados como armas pelo Hamas durante os ataques em 7 de outubro.

Publicada em 10/12/23 às 06:32h - 1081 visualizações

Ivana Kottasová, CNN


Compartilhe
Compartilhar a noticia O que sabemos sobre a violência sexual cometida pelo Hamas em ataque a Israel  Compartilhar a noticia O que sabemos sobre a violência sexual cometida pelo Hamas em ataque a Israel  Compartilhar a noticia O que sabemos sobre a violência sexual cometida pelo Hamas em ataque a Israel

Link da Notícia:

O que sabemos sobre a violência sexual cometida pelo Hamas em ataque a Israel
Imagens mostram corpos após ataque do Hamas em festival rave em Israel em 7 de outubro  (Foto: Reprodução/CNN)
Simchat Greyman teve que fazer uma pausa várias vezes ao descrever as evidências de violência sexual que ele viu ao recuperar os corpos das vítimas do ataque terrorista do Hamas em Israel, em 7 de outubro.

Um corpo foi tão severamente brutalizado que ele e os seus colegas da ZAKA, a organização de judeus ultraortodoxos de recuperação de restos mortais humanos, não conseguiram dizer se era um homem ou uma mulher.

Greyman descreveu como descobriu uma mulher que levou um tiro na nuca, deitada na cama, nua da cintura para baixo. Uma granada real foi colocada em sua mão.

E depois havia o corpo com os pregos. “Fui chamado a uma casa, me disseram que havia poucos corpos ali. Eu vi diante dos meus olhos uma mulher deitada. Ela estava nua e tinha pregos…”, Greyman conseguiu dizer antes de fazer uma longa pausa, lutando para pronunciar as palavras.

“Ela tinha pregos e diversos objetos em seus órgãos femininos. O corpo dela foi brutalizado de uma forma que não conseguimos identificá-la”, acrescentou, com o trauma claramente visível em seu rosto.

Greyman estava testemunhando em uma sessão das Nações Unidas sobre violência sexual e de gênero no ataque terrorista do Hamas de 7 de outubro, reunião organizada por Israel na sede da ONU em Nova York na segunda-feira (4).

Ele foi uma das várias testemunhas oculares convidadas para discursar na reunião, fornecendo provas de que a violência sexual e o estupro ocorreram e foram usados como armas pelo Hamas durante os ataques.

CNN não pode verificar de forma independente alegações e reivindicações individuais. No entanto, vários socorristas que compareceram aos locais do ataque de 7 de outubro disseram à CNN que os ataques foram extremamente horríveis e que algumas vítimas do sexo feminino foram encontradas nuas.

Evidências crescentes

As provas de violência sexual apresentadas durante a sessão na ONU foram amplas e esmagadoras e vieram de diferentes fontes. Enquanto Greyman falava sobre sua experiência nas operações de busca e resgate, Yael Richert, superintendente da polícia de Israel, compartilhava informações coletadas durante a investigação até agora.

Ela disse que os sobreviventes do ataque terrorista disseram aos investigadores que testemunharam terroristas do Hamas perpetrando violência sexual contra as vítimas. Ela citou testemunhos de vários indivíduos que testemunharam diretamente a violência sexual ou viram provas claras da mesma.

“Havia meninas com a pélvis quebrada devido a estupros repetitivos, suas pernas foram bem abertas”, disse Richert, citando um sobrevivente do massacre do festival de música Nova.

"Ouvimos meninas que foram retiradas dos abrigos. Meninas que gritavam. Eles estupraram meninas. E as queimavam logo depois disso. Todos os corpos lá fora foram queimados", acrescentou Yael Richert, superintendente da polícia de Israel, lendo outro depoimento.

Shari Mendes, reservista das Forças de Defesa de Israel que cuidou dos corpos de mulheres soldados mortas durante o ataque, também descreveu as evidências que viu, dizendo que muitos dos corpos chegaram em “farrapos ensanguentados e rasgados ou apenas em roupas íntimas e suas roupas íntimas estavam, muitas vezes, com muito sangue.

Fotografias e vídeos das cenas respaldam os relatos de Mendes. Um vídeo geolocalizado pela CNN em um bairro de Gaza mostrava uma jovem mulher descalça puxada do porta-malas de um jipe por um homem armado e depois forçada a entrar no banco de trás do carro. Suas calças estavam encharcadas com o que parecia ser sangue.

“Nosso comandante de equipe viu várias mulheres soldados que foram baleadas na virilha, partes íntimas, vagina ou no peito. Parece haver uma mutilação genital sistemática de um grupo de vítimas”, acrescentou.

O Knesset, o parlamento de Israel, realizou uma sessão separada sobre violência sexual na semana passada. Um membro do Knesset, Yulia Malinovsky, acusou o Hamas de “estuprar mulheres para humilhar” Israel como nação.

O Hamas negou repetidamente as alegações de que os seus combatentes cometeram violência sexual durante o ataque – apesar das provas.

Autoridades israelenses e americanas acreditam que o Hamas continua mantendo como reféns várias mulheres na faixa dos vinte e trinta anos, apesar de terem concordado que libertaria todas as mulheres e crianças como parte do acordo de trégua na semana passada. O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na terça-feira que a recusa do Hamas em libertá-las foi “o que quebrou este acordo e encerrou a pausa nos combates”.

Investigações difíceis

A Polícia de Israel disse anteriormente que estava interrogando suspeitos, compilando evidências das cenas do ataque terrorista e entrevistando testemunhas como parte da investigação sobre crimes sexuais e outras atrocidades cometidas pelo Hamas em 7 de outubro.

Embora as provas de violência sexual encontradas nos corpos das vítimas parecessem esmagadoras, a polícia disse no mês passado que os seus investigadores não tinham testemunhos em primeira mão dos sobreviventes e que nem sequer estava claro se alguma vítima sobreviveu.

Desde então, dezenas de reféns foram libertados de Gaza como parte de uma trégua entre Israel e o Hamas e alguns também mencionaram abusos sexuais durante os seus depoimentos.

Falando após uma reunião privada com alguns dos reféns libertados e familiares daqueles que ainda estão detidos em Gaza, na terça-feira, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse ter ouvido histórias de abuso sexual. “Eu ouvi, e você também ouviu, sobre abuso sexual e incidentes de estupro brutal como nada comparado”, disse ele em entrevista coletiva.

A emissora pública israelense, Channel 11, obteve e divulgou um áudio da reunião de terça-feira, no qual ex-reféns descreveram o tempo que passaram no cativeiro.

“Eles estão tocando nas meninas e todo mundo sabe disso”, disse um deles.

Tal como Israel, várias organizações internacionais prometeram investigar os crimes sexuais cometidos pelo Hamas. Na semana passada, o presidente de uma comissão de inquérito da ONU que investiga potenciais crimes de guerra em ambos os lados da guerra Israel-Hamas disse que irá investigar relatos de violência sexual alegadamente perpetrados em 7 de outubro.

Resposta internacional

Israel acusou as organizações internacionais e os meios de comunicação de ignorarem a questão. Netanyahu apelou à ONU pelo que disse ser um atraso no reconhecimento das alegações de violência sexual cometidas pelo Hamas.

“Ouvi histórias que partiram meu coração sobre a tortura, tanto mental quanto física”, disse Netanyahu em entrevista coletiva após seu encontro na terça-feira com ex-reféns em Tel Aviv.

O primeiro-ministro israelense acrescentou que até “alguns dias atrás” não tinha ouvido a ONU ou as organizações de direitos humanos condenarem as alegações de violência sexual.

A agência da ONU, a ONU Mulheres, foi o principal alvo das críticas, com ativistas acusando de permanecer em silêncio sobre a questão dos crimes sexuais do Hamas e de optar, em vez disso, por se concentrar na situação das mulheres em Gaza. A ONU Mulheres divulgou um comunicado na segunda-feira condenando os ataques e dizendo que estava “alarmada com os numerosos relatos de atrocidades baseadas em gênero e violência sexual durante esses ataques”.

“Eu digo às organizações de direitos das mulheres. Digo às organizações de direitos humanos, vocês já ouviram falar da violação de mulheres israelenses. Atrocidades horríveis, mutilação sexual. Onde diabos vocês estão?”, disse Netanyahu.

Biden também abordou a questão em uma angariação de fundos em Boston na terça-feira, apelando “a todos nós – governo, organizações internacionais, sociedade civil e empresas – para condenarmos energicamente a violência sexual dos terroristas do Hamas sem equívocos. Sem equívocos, sem exceção”.

Ele disse que testemunhos e relatórios compartilhados nas últimas semanas mostraram “crueldade inimaginável”.

“Relatos de mulheres estupradas repetidamente e dos seus corpos mutilados enquanto ainda estavam vivas – de cadáveres de mulheres sendo profanados, terroristas do Hamas infligindo tanta dor e sofrimento quanto possível a mulheres e meninas e depois assassinando. É terrível”, disse Biden.

*Com informações de Niamh Kennedy, da CNN em Londres.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1594177
Usuários Online: 45
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!