noticias72 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

Milhares de afegãos deixam território paquistanês após ameaças de expulsão

Publicada em 02/11/23 às 06:01h - 589 visualizações

RFI


Compartilhe
Compartilhar a noticia Milhares de afegãos deixam território paquistanês após ameaças de expulsão  Compartilhar a noticia Milhares de afegãos deixam território paquistanês após ameaças de expulsão  Compartilhar a noticia Milhares de afegãos deixam território paquistanês após ameaças de expulsão

Link da Notícia:

Milhares de afegãos deixam território paquistanês após ameaças de expulsão
 (Foto: REUTERS - ABDUL KHALIQ ACHAKZAI)
O Paquistão começou nesta quarta-feira (1°) a expulsar estrangeiros sem visto de permanência no país. Mais de dois milhões de pessoas serão afetadas, entre elas, 600 mil afegãos que fugiram do Afeganistão depois que o Talibã assumiu o poder em agosto de 2021. Apesar dos pedidos da ONU para suspender o retorno forçado destes estrangeiros, na semana passada, o governo paquistanês anunciou a abertura de vários centros de detenção para afegãos em situação irregular em seu território.

As deportações começam oficialmente nesta quarta-feira, mas, na realidade, os afegãos estão sendo presos há várias semanas. Muitos dizem que foram submetidos à brutalidade e à extorsão pela polícia, que supostamente se aproveitam de sua vulnerabilidade para extorquir dinheiro, ameaçando deportá-los ou colocá-los na prisão.

Durante décadas, o Paquistão tem sido o lar de milhares de afegãos que buscaram refúgio no país, após as guerras que abalaram o Afeganistão. A invasão soviética na década de 1980, a tomada do poder pelo Talibã na década de 1990, os anos violentos da República Afegã após a intervenção da coalizão internacional e, em seguida, a volta do Talibã em agosto de 2021. Mais de um milhão e meio de afegãos vivem como refugiados no Paquistão. Esta condição é difícil de obter em um país que parou de emitir carteiras de identidade para refugiados há vários anos. Por isso, mais de dois milhões estão em situação irregular.

As autoridades paquistanesas pediram aos seus cidadãos que denunciassem os afegãos que vivem ou trabalham em seu território. Os proprietários de imóveis receberam cartas pedindo que despejassem seus inquilinos afegãos. Diante desse clima de pressão, quase 83 mil afegãos optaram por retornar ao seu país de origem.

A passagem de Torkham, na fronteira com o Afeganistão, é inundada todos os dias por centenas de famílias afegãs que estão retornando voluntariamente em condições muito difíceis.

O Afeganistão passa por uma grave crise humanitária desde que o Talibã assumiu o poder em agosto de 2021, e os direitos humanos, especialmente os das mulheres, são violados diariamente. A ONU insiste sobre essa questão ao pedir que o Paquistão reverta sua decisão, mas a solicitação ficou sem resposta.

Terror

Os afegãos estão aterrorizados. Principalmente os que se refugiaram no Paquistão depois que o Talibã tomou o poder.

"Se eu voltar ao Afeganistão, eles vão me prender e me colocar na prisão", disse ela, uma jovem jornalista e ativista de direitos humanos afegã ameaçada pelo movimento fundamentalista muçulmano. Ela cita o exemplo de outros ativistas como ela, que estão atrás das grades no Afeganistão há vários meses. Ela conta que migrou ilegalmente para o Paquistão há menos de um ano e está escondida em um quarto de hotel, após se mudar três vezes. A jornalista solicitou asilo à embaixada francesa em Islamabad, mas até agora não recebeu resposta.

Há muitos refugiados afegãos na mesma situação da jovem. Eles temem por suas vidas e vivem com medo de serem denunciados pelos vizinhos e presos pela polícia paquistanesa.

Até o momento, não há nada nem ninguém que impeça sua deportação para o Afeganistão. Eles não têm nenhuma proteção. Vários defensores dos direitos humanos e organizações internacionais denunciaram um desastre humanitário e um nível de repressão sem precedentes.

O Talibã procura 'tranquilizar'

"Como os refugiados afegãos podem ser enviados de volta à força em um espaço de tempo tão curto", reagiu recentemente o porta-voz do Talibã. O governo do Talibã criticou o anúncio do governo paquistanês, pedindo que ele reconsiderasse sua decisão.

Em Cabul, no entanto, as autoridades se comprometeram a registrar os afegãos que retornam, abrigá-los e encontrar trabalho para eles. Mas o país, que entrou em colapso econômico desde o retorno do Talibã ao poder, está mergulhado em uma das piores crises humanitárias do mundo.

Em um comunicado à imprensa, o Talibã procurou tranquilizar os cidadãos afegãos que haviam fugido do país por motivos "políticos". "Eles têm a garantia de retornar e viver em paz em seu país", diz o comunicado das autoridades do Talibã.

Essas palavras não tranquilizam os muitos jornalistas, ativistas de direitos humanos e ex-funcionários públicos, policiais e soldados afegãos que encontraram refúgio no Paquistão. Vários relatórios da ONU e de organizações de direitos humanos revelaram que centenas de ex-funcionários públicos e membros das forças armadas foram mortos no Afeganistão desde que o Talibã assumiu o país.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1465202
Usuários Online: 20
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!