noticias727 Seja bem vindo ao nosso site Sovaco de Cobra!

Mundo

Busca da China por dados genéticos humanos gera temores de uma corrida armamentista de DNA

Publicada em 14/10/23 às 07:48h - 367 visualizações

Joby Warrick e Cate Brown, Estadão


Compartilhe
Compartilhar a noticia Busca da China por dados genéticos humanos gera temores de uma corrida armamentista de DNA  Compartilhar a noticia Busca da China por dados genéticos humanos gera temores de uma corrida armamentista de DNA  Compartilhar a noticia Busca da China por dados genéticos humanos gera temores de uma corrida armamentista de DNA

Link da Notícia:

Busca da China por dados genéticos humanos gera temores de uma corrida armamentista de DNA
 (Foto: Sovaco de Cobra)
A maior parte da Europa estava em isolamento em abril de 2020, quando um avião chegou à capital sérvia trazendo um presente oportuno da República Popular da China. Dentro dele havia uma invenção chinesa chamada “Olho de Fogo”, um sofisticado laboratório portátil capaz de detectar infecções por coronavírus a partir de pequenos fragmentos genéticos deixados pelo patógeno.

E isso, como os sérvios logo descobriram, era a menor de suas capacidades.

O “Olho de Fogo” se destacava não apenas por decifrar o código genético dos vírus, mas também dos seres humanos, com máquinas capazes de decifrar as instruções genéticas contidas nas células de cada pessoa na Terra, de acordo com seus inventores chineses.

No final de 2021, com a pandemia ainda em andamento, as autoridades sérvias anunciaram que estavam trabalhando com uma empresa chinesa para converter o laboratório em uma instalação permanente com planos de coletar e curar todos os genomas, ou projetos genéticos, dos cidadãos sérvios.

Os cientistas da Sérvia ficaram entusiasmados, e a primeira-ministra do país, Ana Brnabic, elogiou a China por dar ao país dos Bálcãs o “instituto mais avançado de medicina de precisão e genética da região”.

No entanto, agora, os laboratórios “Olho de Fogo” da China - muitos dos quais foram doados ou vendidos a países estrangeiros durante a pandemia - estão atraindo a atenção das agências de inteligência ocidentais em meio à crescente inquietação sobre as intenções da China. Alguns analistas consideram a generosidade da China como parte de uma tentativa global de explorar novas fontes de dados de DNA humano altamente valiosos em países de todo o mundo.

Esse esforço de coleta, em andamento há mais de uma década, incluiu a aquisição de empresas de genética dos Estados Unidos, bem como operações sofisticadas de hackeamento, segundo autoridades de inteligência dos EUA e do Ocidente.

Porém, mais recentemente, recebeu um impulso inesperado com a pandemia do coronavírus, que criou oportunidades para empresas e institutos chineses distribuírem máquinas de sequenciamento de genes e criarem parcerias para pesquisas genéticas em locais onde Pequim tinha pouco ou nenhum acesso, disseram as autoridades.

Em meio à pandemia, os laboratórios “Olho de Fogo” proliferariam rapidamente, espalhando-se por quatro continentes e mais de 20 países, do Canadá Letônia à Arábia Saudita, e da Etiópia África do Sul à Austrália. Vários deles, como o de Belgrado, agora funcionam como centros permanentes de testes genéticos.

“A covid-19?, disse um analista sênior de inteligência dos EUA que acompanha de perto o setor de biotecnologia da China, “foi a porta”.

Um porta-voz da Embaixada da China em Washington rejeitou qualquer sugestão de que as empresas chinesas tivessem obtido acesso indevido a dados genéticos. O porta-voz, Liu Pengyu, disse que os laboratórios “Olho de Fogo” ajudaram muitos países a combater uma pandemia perigosa e continuam a desempenhar um papel vital na triagem de câncer e outras doenças.

O BGI Group, a empresa sediada em Shenzhen que fabrica os laboratórios “Olho de Fogo”, disse que não tem acesso às informações genéticas coletadas pelo laboratório que ajudou a criar na Sérvia.

Mas as autoridades americanas observam que o BGI foi escolhido por Pequim para construir e operar o Banco Nacional de Genes da China, um vasto e crescente repositório de propriedade do governo que agora inclui dados genéticos extraídos de milhões de pessoas em todo o mundo.

No ano passado, o Pentágono listou oficialmente a BGI como uma das várias “empresas militares chinesas” que operam nos Estados Unidos, e uma avaliação de inteligência dos EUA de 2021 vinculou a empresa ao esforço global dirigido por Pequim para obter ainda mais DNA humano, inclusive dos Estados Unidos.

O governo dos EUA também colocou na lista negra as subsidiárias chinesas da BGI por supostamente ajudar a analisar o material genético coletado dentro da China para auxiliar na repressão do governo às minorias étnicas e religiosas do país. O BGI, em uma declaração ao The Washington Post, caracterizou as ações dos EUA contra a empresa como “impactadas por desinformação” e disse que o BGI Group “não tolera e nunca se envolveria em qualquer abuso dos direitos humanos”.

“Nenhum dos membros do BGI Group é de propriedade do Estado ou controlado pelo Estado, e todos os serviços e pesquisas do BGI Group são fornecidos para fins civis e científicos”, disse a empresa.

A iniciativa de Pequim de varrer o DNA de todo o planeta ocasionalmente gerou polêmica, principalmente após uma série da Reuters de 2021 sobre aspectos do projeto. Acadêmicos e cientistas militares chineses também chamaram a atenção ao debater a viabilidade da criação de armas biológicas que poderiam um dia atingir populações com base em seus genes.

As armas baseadas em genética são consideradas pelos especialistas como uma perspectiva distante, na melhor das hipóteses, e parte da discussão parece ter sido motivada pela paranoia oficial sobre a possibilidade de os Estados Unidos e outros países estarem explorando essas armas.

As autoridades de inteligência dos EUA acreditam que o esforço global da China tem como objetivo principal derrotar o Ocidente economicamente, não militarmente. Não há evidências públicas de que as empresas chinesas tenham usado DNA estrangeiro por outros motivos que não a pesquisa científica.

A China anunciou planos para se tornar a líder mundial em biotecnologia até 2035 e considera a informação genética - às vezes chamada de “o novo ouro” - como um ingrediente crucial em uma revolução científica que poderia produzir milhares de novos medicamentos e curas.

Se vencer a corrida tecnológica, a China poderá obter uma alavancagem econômica e estratégica significativa contra seu principal rival, os Estados Unidos, disse Anna Puglisi, ex-oficial chefe de contrainteligência nacional da comunidade de inteligência dos EUA para o Leste Asiático.

Estamos no limiar de começar a entender e desvendar o que os genes fazem”, disse Puglisi, agora membro sênior do Centro para Segurança e Tecnologia Emergente da Universidade de Georgetown. “Quem chegar lá primeiro vai controlar muitas coisas realmente incríveis. Mas também existe a possibilidade de uso indevido.”

No plano estratégico da China para se tornar a principal potência global do século 21, poucos campos parecem maiores do que a luta para se tornar o mestre do genoma humano.

Em 2015, Pequim anunciou seu plano “Feito na China 2025?, que listou a biotecnologia como um dos principais alvos de investimento do governo e um pilar do futuro econômico do país. Um ano depois, como um passo para concretizar essa visão, o Partido Comunista, no poder, lançou um programa de US$ 9 bilhões com o objetivo de tornar a China um líder global em ciências genéticas, começando com um grande esforço para coletar e analisar o DNA humano.

Naquela época, a descoberta de ferramentas de edição de genes, como o CRISPR, estava aumentando as esperanças de novas curas para o câncer e possíveis tratamentos para doenças hereditárias há muito consideradas incuráveis. Com grandes investimentos na área, a China sinalizou que pretendia competir e vencer na competição internacional para trazer novos medicamentos e terapias baseados em genes para o mercado.

“Se a China puder se tornar o único ou principal fornecedor de um novo medicamento ou tecnologia importante, ela ganhará vantagem”, de acordo com um alto funcionário da inteligência dos EUA que acompanha de perto o setor de biotecnologia da China. O funcionário, assim como outros, falou sob condição de anonimato para discutir avaliações sensíveis da trajetória estratégica da China. “Se a China adquirir uma massa crítica de dados - e se for capaz de analisar e explorar os dados - ela poderá cooptar o futuro.”

Chegar a essa massa crítica de dados não é fácil, pois não é qualquer DNA que serve. Para desenvolver medicamentos para um mercado global, a China precisa de fontes altamente diversificadas de informações genéticas, juntamente com históricos individuais de pacientes, que fornecem um contexto essencial, dizem os pesquisadores. Assim, no início da década passada, a China começou a aumentar a aquisição desses registros.

Em 2013, a Complete Genomics, uma empresa de San Jose e líder nos EUA em tecnologia de sequenciamento de genes, foi comprada por US$ 118 milhões pelo BGI Group, uma empresa chinesa anteriormente chamada Instituto de Genômica de Pequim.

Na época, o BGI estava em processo de construção do Banco Nacional de Genes da China, que seria administrado em nome de Pequim como a primeira instalação de armazenamento de informações genéticas em nível nacional do país. A BGI também havia recebido uma injeção de dinheiro de US$1,5 bilhão do Banco de Desenvolvimento da China para alimentar sua busca para se tornar uma concorrente global no mercado em expansão de equipamentos de sequenciamento genético.

O BGI, em uma declaração ao The Washington Post, disse que sua corporação está envolvida em “pesquisas científicas reconhecidas mundialmente”, em conformidade com “todas as leis e regulamentos exigidos”, e forneceu ajuda crucial aos países que lutam contra a covid-19 e outras crises de saúde.

“Acreditamos na pesquisa transparente e colaborativa e no compartilhamento aberto dos resultados”, disse o BGI. “Essa abordagem, realizada de acordo com padrões científicos e éticos globais, tem sustentado nosso trabalho desde o Projeto Genoma Humano em 1999 e levou a grandes avanços nas ciências da vida, bem como a uma melhor compreensão da biodiversidade e do mundo ao nosso redor.”

A aquisição da Complete Genomics pela BGI posicionou a empresa como um participante global no mercado altamente competitivo da tecnologia de sequenciamento de genes. A BGI adquiriu as patentes das máquinas de sequenciamento de DNA da empresa americana e logo começou a fabricar e vender o equipamento por meio de uma empresa derivada que continua fazendo parte do grupo BGI.

Em 2019, por meio de parcerias comerciais e compras de ações, quase duas dúzias de empresas chinesas haviam adquirido direitos sobre dados genéticos e outros registros privados de pacientes dos EUA, de acordo com um relatório de 2019 preparado pela Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China do governo dos EUA.

Durante o mesmo período, as autoridades policiais dos EUA estavam rastreando tentativas de hackeamento envolvendo empresas com grandes quantidades de dados genéticos. Uma acusação do Departamento de Justiça em 2019 acusou agentes chineses de acessarem ilegalmente bancos de dados de pacientes em quatro empresas dos EUA.

Acredita-se que os hackers tenham desviado os dados privados de assistência médica, incluindo informações de DNA, de mais de 80 milhões de americanos, de acordo com os promotores.

O medo do uso indevido de dados de DNA pela China provocou uma reação negativa na América do Norte e na Europa nos últimos anos. A BGI, cujos produtos incluem um popular kit de triagem genética neonatal chamado NIFTY, vendido em mais de 50 países, foi submetida a um exame minucioso em meio a preocupações de que a China pudesse explorar as informações privadas de saúde de milhões de mulheres grávidas.

No ano passado, o Conselho Nacional do Consumidor da Noruega emitiu uma advertência às mulheres que usavam os testes, citando o risco de que informações privadas pudessem ser acessadas pelo governo chinês. As autoridades de saúde da Alemanha e da Eslovênia também disseram que estavam investigando o possível uso indevido de dados dos testes neonatais pela China. A BGI afirma que nenhum dado pessoal dos testes NIFTY foi retido pela empresa ou transferido para a China.

A pandemia apresentou às empresas de biotecnologia da China uma oportunidade inesperada. Em janeiro de 2020, menos de um mês depois que as autoridades chinesas relataram as primeiras doenças causadas por um novo coronavírus em Wuhan, na China, o BGI Group se envolveu nos primeiros esforços para decifrar o genoma completo do que ficou conhecido como SARS-CoV-2. Em poucas semanas, o BGI rapidamente passou a oferecer testes comerciais para o novo vírus, e a China doou milhões de seus kits de teste para países de todo o mundo.

Também em janeiro de 2020, em meio à rápida disseminação do vírus pelo planeta, o BGI revelou uma nova instalação portátil de testes de coronavírus, chamada Huo-Yan em mandarim - “Olho de Fogo”. O nome é derivado de um mítico rei-macaco chinês que podia ver através de disfarces para identificar impostores no palácio real.

Nos meses seguintes, a BGI fabricaria cerca de 100 laboratórios em diferentes configurações. Os mais impressionantes visualmente são os “laboratórios aéreos”, que estão contidos em uma concha de plástico macio que pode ser inflada rapidamente, como um pula-pula em uma festa infantil. Os interiores dos laboratórios são equipados com máquinas sofisticadas construídas para o que a empresa chama de “detecção de ácido nucleico de alto rendimento”. Um relatório dos acionistas da empresa descreve o laboratório como um sistema “tudo em um” que também “constrói uma plataforma de computação genética em nuvem por meio do uso abrangente de big data”.

A BGI disse que o equipamento sofisticado estava de acordo com a crença da empresa no “compartilhamento aberto de ferramentas e descobertas científicas” para proporcionar “os maiores benefícios para toda a humanidade”. Mas um relatório de 2020 da Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China ofereceu uma avaliação mais severa da finalidade dos laboratórios “Olho de Fogo”:

“Esses laboratórios”, segundo o relatório, “estão fornecendo aos pesquisadores chineses dados genéticos heterogêneos para atender às ambições chinesas de dominar o mercado de biotecnologia”.

A chegada do primeiro laboratório “Olho de Fogo” da Sérvia, em abril de 2020, foi acompanhada de toda a fanfarra possível em um país que está sob um rígido confinamento. Alguns dos principais líderes do país dos Bálcãs apareceram com máscaras cirúrgicas para dar um aperto de mão nos diplomatas chineses e agradecer formalmente a Pequim por fornecer ajuda crucial. A Sérvia receberia dois dos laboratórios, e cerca de 20 outros países, principalmente na África e no Oriente Médio, receberiam pelo menos um.

“Recebemos apoio e ajuda da China em suprimentos médicos, especialistas, tecnologia e experiência desde nosso primeiro dia de combate ao coronavírus”, disse Brnabic, o primeiro-ministro sérvio, a representantes da BGI após a chegada dos laboratórios em abril. “Sem a ajuda chinesa, não conseguiríamos vencer a batalha.”

A Sérvia, com sua população de cerca de 7 milhões de habitantes, acabaria registrando 18.000 mortes por covid-19. A taxa de mortalidade estava na parte mais alta das estatísticas internacionais, mas um pouco melhor do que muitos de seus vizinhos dos Bálcãs. As autoridades e os líderes empresariais sérvios expressavam repetidamente sua gratidão à China, inclusive com outdoors gigantes na capital com os dizeres “Obrigado, irmão Xi”, uma referência ao líder chinês Xi Jinping.

Medida em euros, a ajuda da União Europeia à Sérvia durante a pandemia excedeu em muito a ajuda da China, mas não surgiram outdoors pró-União Europeia em uma cidade que ainda guarda profundos ressentimentos em relação ao bombardeio da capital pela Otan durante a guerra do Kosovo há duas décadas.

No outono de 2021, a pandemia estava começando a desaparecer. Mas em dezembro, a Sérvia anunciou que, com a ajuda da China, havia convertido o laboratório de Belgrado em uma instalação permanente para testes genéticos. O equipamento foi transferido para os arredores da capital, e as autoridades chinesas e sérvias se reuniram novamente para inaugurar o “Centro Sérvio de Sequenciamento de Genoma e Bioinformática”, o primeiro laboratório do país especializado em decifrar os genomas completos de seres humanos. Os equipamentos seriam chineses, disseram as autoridades, e o BGI forneceria especialistas chineses para ajudar a montar o laboratório e treinar sua equipe.

O laboratório de Belgrado mantém um perfil discreto. Ele ocupa um pequeno espaço dentro de um prédio de escritórios de três andares recém-pintado em uma área predominantemente residencial a vários quilômetros das universidades e do centro comercial da cidade. Uma bandeira da Sérvia e uma placa discreta anunciam a presença do laboratório em sérvio e inglês. Um guarda solitário afastava visitantes indesejados do pórtico coberto em uma recente noite de verão.

Jelena Begovic, uma cientista sérvia que supervisionou o laboratório “Olho de Fogo” em seus dois primeiros anos, foi recentemente promovida para dirigir o Ministério da Ciência da Sérvia. Ela recusou um pedido de entrevista, e seu escritório não respondeu a um pedido de visita às instalações. Begovic, em comentários públicos sobre o laboratório reaproveitado, disse que a Sérvia havia imposto padrões rígidos de segurança e privacidade e seguido diretrizes “responsáveis” sobre o compartilhamento de dados.

A BGI, em uma declaração ao The Washington Post, disse que o laboratório “pertence e é gerenciado pela Sérvia, não pela BGI” e, embora a empresa forneça equipamentos, know-how e treinamento, ela “não tem acesso aos dados”. No entanto, um comunicado de imprensa da BGI no ano passado parecia sugerir pelo menos um acordo limitado de compartilhamento de dados durante a fase inicial do laboratório de Belgrado.

Para garantir o controle de qualidade, “o resultado da equipe local (de Belgrado) é comparado com os resultados de sequenciamento que uma equipe mais consolidada em outro local está produzindo”, disse. Não há outros centros de sequenciamento de genoma completo na Sérvia. O BGI disse que amostras biológicas “anônimas” são compartilhadas com outro laboratório para fins de validação, mas que as amostras são destruídas depois. “Não há compartilhamento de dados de sequenciamento em nenhum estágio”, disse a empresa.

Pouco depois da abertura do laboratório temporário de Belgrado, Begovic também pareceu reconhecer que o compartilhamento de dados com a BGI era um componente da parceria da Sérvia com a empresa chinesa.

“Hoje em dia, às vezes, as informações são mais valiosas do que o ouro”, disse Begovic em resposta a uma pergunta da imprensa. “Nesse sentido, essa também é uma fonte de informações para eles com relação a essa região.”

Os documentos corporativos da BGI em 2022 reconheceram que a empresa “aproveitou a oportunidade” durante a pandemia para “expandir o sistema global de serviços de medicina de precisão” com sua rede de laboratórios “Olho de Fogo”. Um relatório de acionistas listou os laboratórios como uma das 350 parcerias no exterior que forneceram “plataformas avançadas de pesquisa genômica e recursos de análise de bioinformática em todo o mundo”.

Alguns dos laboratórios fornecidos pela BGI e sua subsidiária beneficente, a Fundação Mamute, eram temporários: Em 2022, a Arábia Saudita instalou locais de teste em Meca antes da peregrinação Hajj, e as autoridades etíopes instalaram um laboratório “Olho de Fogo” em um terminal do aeroporto de Adis Abeba. Outros acordos pareciam mais permanentes, pois os laboratórios foram anexados a centros de pesquisa na Letônia, África do Sul, Emirados Árabes Unidos e Sérvia.

Em março de 2023, as autoridades dos Emirados Árabes Unidos anunciaram uma Estratégia Nacional de Genoma que visa mapear o DNA de todos os Emirados, usando equipamentos de sequenciamento genético fornecidos pela BGI. Os comunicados à imprensa que descrevem várias das parcerias do BGI Group no exterior referem-se a elas como verdadeiras joint ventures com propriedade “50-50? ou colaboração “estratégica” em pesquisa.

Autoridades de inteligência dos EUA disseram em entrevistas que têm uma visão limitada sobre como o BGI lida com as informações de DNA adquiridas no exterior, inclusive se os dados genéticos dos laboratórios “Olho de Fogo” acabam nos computadores dos serviços militares ou de inteligência da China.

O que se sabe é que parcerias como os laboratórios “são uma fonte de dados de sequenciamento (genético)”, e esses dados “estão disponíveis para o Partido Comunista Chinês e para o Exército de Libertação Popular”, disse um analista dos EUA especializado na política de biotecnologia da China. “As informações genéticas”, disse o analista, “são consideradas pela China como um ativo de inteligência”.

A lei chinesa deixa claro que qualquer informação coletada usando as máquinas da BGI pode ser acessada pelo governo chinês. Uma lei de inteligência nacional promulgada em 2017 estipula que as empresas e os cidadãos chineses são legalmente obrigados a compartilhar informações proprietárias adquiridas em países estrangeiros sempre que solicitado.

Desde 2019, a China também reformulou a estrutura jurídica que rege seus próprios vastos recursos genéticos, redefinindo-os como um recurso nacional estratégico e restringindo fortemente o acesso de entidades estrangeiras por motivos que incluem a segurança nacional. De acordo com a atual legislação chinesa, as entidades estrangeiras estão proibidas de coletar material genético no país ou de transferir esses recursos para o exterior.

Na Letônia, onde uma subsidiária da BGI abriu uma filial local para vender serviços de sequenciamento genético, os funcionários da agência de segurança nacional do país alertaram os clientes para terem cautela e não se deixarem influenciar pelas garantias da empresa sobre as salvaguardas de privacidade de dados.

“As empresas chinesas do setor privado estão, em grande parte, sob o controle do governo chinês e são obrigadas a cooperar com as autoridades chinesas, inclusive com serviços especiais, quando necessário”, disse o Departamento de Proteção à Constituição da Letônia em um comunicado ao The Washington Post.

Embora tenha se recusado a discutir o registro específico da empresa, o Departamento disse: “A atividade das empresas chinesas na Letônia está associada a riscos de inteligência; portanto, essas empresas estão sob a atenção dos serviços de segurança”.

Grupos de defesa das liberdades civis documentaram campanhas chinesas sistemáticas para coletar à força dados biométricos dos habitantes de províncias com grandes populações de tibetanos e uigures, dois grupos minoritários que foram vítimas da repressão organizada chinesa.

Desde o início de 2017, a polícia tem exigido amostras de sangue, bem como escaneamentos de íris e impressões digitais de todos os residentes adultos da província de Xinjiang, no oeste do país, de acordo com a Human Rights Watch. Xinjiang é o lar de 12 milhões de uigures predominantemente muçulmanos. Uma campanha semelhante foi lançada em 2020 na região autônoma do Tibete, informou o grupo.

As campanhas de coleta de DNA foram citadas pelos governos Trump Biden em suas ações de inclusão de empresas chinesas de biotecnologia na lista negra nos últimos três anos. Em março, as empresas americanas foram proibidas de fazer negócios com duas subsidiárias da BGI - BGI Research e BGI Tech Solutions (Hongkong) Co. Ltd. - devido ao potencial de “desvio para os programas militares da China”, de acordo com uma declaração do Departamento de Comércio - uma alegação que a empresa rejeita.

A Embaixada da China, em sua declaração ao The Washington Post, disse que as sanções eram “outro exemplo dos Estados Unidos inventando desculpas e usando todos os meios para suprimir as empresas chinesas”.

A seleção de minorias étnicas é intencional, afirmam grupos de direitos humanos. Nas mãos dos policiais chineses, os dados biométricos são uma ferramenta poderosa para identificar pessoas consideradas como possíveis causadores de problemas. As amostras de DNA podem vincular suspeitos a protestos ou ajudar a polícia a localizar membros da família que possam estar sujeitos a pressões sobre o comportamento de um parente.

“Faz parte da arquitetura de controle social e é uma ferramenta de pressão psicológica muito eficaz”, disse Yves Moreau, biólogo computacional belga que escreve sobre o uso indevido de inteligência artificial e dados genéticos por governos para vigilância ou repressão. “Se o banco de dados de DNA é eficaz, há um medo induzido pela implantação em larga escala dessa tecnologia.”

As forças armadas da China também estão demonstrando maior interesse em ciências genéticas.

A China afirma que não possui armas biológicas geneticamente modificadas e não planeja criá-las. Mas importantes autoridades militares argumentaram publicamente que as armas baseadas em genética são inevitáveis.

Em 2017, uma versão atualizada de uma publicação de estratégia militar da Universidade de Defesa Nacional, administrada pelo Exército de Libertação Popular, adicionou uma seção sobre guerra biológica que destacava a importância de “ataques genéticos étnicos específicos” em guerras futuras - uma noção que desde então tem sido repetida por vários cientistas militares chineses no contexto da dissuasão.

“Pode ser um ataque preciso e direcionado que destrói uma raça, um grupo específico de pessoas ou uma pessoa específica; sua eficácia de guerra potencialmente enorme pode trazer pânico extremo aos seres humanos”, diz um artigo publicado na mídia estatal em março de 2020 por Kang Yaowu, professor associado da universidade. “Ela tem um alto conteúdo tecnológico, baixo custo e grande ameaça.”

O fato de que a genética pode se tornar uma base para futuras armas continua sendo um assunto de especulação. Muitos especialistas acreditam que as armas biológicas que selecionam alvos com base em sua composição de DNA não são tecnicamente viáveis atualmente e podem não ser por muitos anos, ou talvez décadas.

Um estudo realizado em 2021 nos EUA por especialistas em armas americanos concluiu que o interesse de Pequim em armas genéticas é motivado, em parte, pela percepção de que a China seria especialmente vulnerável se seus adversários desenvolvessem a tecnologia primeiro. Em comparação com outros países - e especialmente com os Estados Unidos - a população da China é amplamente homogênea, com mais de 90% de seus habitantes sendo da etnia chinesa Han.

“A China parece reconhecer sua própria vulnerabilidade ao direcionamento genético”, escrevem os autores do estudo “Avaliação Científica dos Riscos dos Sistemas de Armas Genéticas”, publicado em 2021 pelo Centro James Martin de Estudos de Não Proliferação, em Monterey, Califórnia. O estudo observa que as autoridades militares dos EUA também estão “preocupadas com a possibilidade de armas genéticas” e realizaram estudos, incluindo um relatório de 2020 da Academia Nacional de Ciências, para avaliar se o país está em risco.

Autoridades e especialistas dos EUA reconhecem a incerteza sobre as intenções finais da China. Por enquanto, com o acúmulo de grandes quantidades de dados de DNA, Pequim está criando um ativo que pode ser usado no futuro - como recurso econômico ou talvez de outras formas. Os objetivos das empresas que adquirem os dados “muitas vezes, convenientemente, e não necessariamente por coincidência, alinham-se com os objetivos nacionais e globais de Pequim”, disse Elsa Kania, pesquisadora especializada em estratégia militar chinesa e tecnologias emergentes e membro sênior adjunto do Centro para uma Nova Segurança Americana, um think tank de Washington.

“O BGI se posicionou como um centro de gravidade nacional para a coleta em larga escala de informações genéticas e genômicas nacionais”, disse Kania. “E acredita-se que esse tipo de dados biológicos - pelo Partido Comunista Chinês, por Pequim, por empresas chinesas como a BGI - seja potencialmente vantajoso do ponto de vista estratégico.”




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 1466917
Usuários Online: 39
Copyright (c) 2024 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!