Brasil

Com o crescimento da crise político-institucional, Bolsonaro diz a evangélicos que tudo tem limite

Presidente falou na manhã de hoje (28) no 1º Encontro Fraterno de Líderes Evangélicos.

Publicada em 28/08/21 às 15:44h - 94 visualizações

por Fábio Souza Tavares


Compartilhe
Compartilhar a notícia Com o crescimento da crise político-institucional, Bolsonaro diz a evangélicos que tudo tem limite  Compartilhar a notícia Com o crescimento da crise político-institucional, Bolsonaro diz a evangélicos que tudo tem limite  Compartilhar a notícia Com o crescimento da crise político-institucional, Bolsonaro diz a evangélicos que tudo tem limite

Link da Notícia:

Com o crescimento da crise político-institucional, Bolsonaro diz a evangélicos que tudo tem limite
Bolsonaro falando ao 1º Encontro Fraterno de Líderes Evangélicos  (Foto: Reprodução/TV Brasil)
O presidente Jair Messias Bolsonaro falou hoje (28) pela manhã no 1º Encontro Fraterno de Líderes Evangélicos, em Goiânia/GO, que foi organizado pela Convenção Nacional das Assembleias de Deus Madureira (CONAMAD).
Diante dos ataques ditatoriais do STF, principalmente do ministro Alexandre de Moraes, e a última decisão do TSE que desmonetizou 14 canais bolsonaristas das redes sociais, Bolsonaro declarou: "Quando um presidente de um Tribunal Superior Eleitoral desmonetiza páginas de apoiadores do governo, ele abre brecha para que presidentes de tribunais regionais eleitorais façam a mesma coisa pra defender o seu respectivo governador. Isso não é democracia. A liberdade de expressão tem que valer para todos". E concluiu: "Temos um presidente que não deseja e nem provoca rupturas, mas tudo tem um limite em nossa vida. Não podemos continuar convivendo com isso".
Bolsonaro criticou a ditadura de alguns ministros do Judiciário, a postura dos governadores e prefeitos que em nome do combate à Covid-19 tomaram medidas para quebrar o País e a recomendação do ex-ministro da Saúde Mandetta que criminosamente orientou a população brasileira a só procurar os hospitais quando estivesse no estágio avançado da Covid-19.
A atual crise político-institucional piorou mais esta semana com a decisão de 25 governadores de determinar a repressão contra os policiais militares que participarem das manifestações pró-Bolsonaro do dia 7 de setembro. Em resposta a essa decisão, a Associação dos Militares Estaduais do Brasil (AMABE) lançou nota dizendo que "as polícias militares não podem ser empregadas de forma disfuncional por nenhum governador, pois são instituições de Estado e não de governo" e que em caso de ruptura institucional as PMs brasileiras não ficarão ao lado dos governadores e atuarão como forças auxiliares do Exército.
Daqui para o dia 7 de setembro muita coisa pode acontecer.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (88) 9.9926-5572

Visitas: 649353
Usuários Online: 45
Copyright (c) 2022 - Sovaco de Cobra - www.sovacodecobra.com.br / A sua voz não pode cessar!